Tribunal Saudita condena 15 espiões iranianos à morte

Um tribunal saudita condenou nesta terça-feira (6) 15 pessoas à morte por espionagem para o Irã, segundo informou a mídia do reino.
O Tribunal Penal Especializado em Riad também condenou outros 15 outros réus a penas que vão de seis meses a 25 anos, e absolveu dois deles, segundo relata o jornal al-Riyadh.
Os réus – 30 sauditas muçulmanos xiitas, um iraniano e um afegão – foram detidos em 2013 sob a acusação de espionagem para o Irã e foram a julgamento em fevereiro.
As decisões desta terça-feira são passíveis de recurso e as sentenças de morte devem ir ao rei para ratificação. O porta-voz do Ministério do Exterior iraniano Bahram Qasemi negou que qualquer prática de espionagem iraniana tenha ocorrido na Arábia Saudita.
“Essas acusações são infundadas e servem a motivos políticos”, disse ele, citado pela agência de notícias s
Muitos dos 32 réus eram ex-funcionários da Defesa saudita e do Ministério do Interior, segundo informa a mídia saudita. Eles foram acusados de criar uma rede de espionagem e passar informações militares e de segurança sensíveis para o Irã em um esforço para “sabotar os interesses econômicos sauditas”, bem como para “minar a coesão da comunidade” e “incitar a luta sectária”.
As acusações incluem o apoio a protestos na região majoritariamente xiita de Qatif, na Província Oriental, o recrutamento de outras pessoas para a rede de espionagem, o envio criptografado de relatórios para a inteligência iraniana via e-mail e alta traição contra o rei.

Deixe o seu comentário!

Mais Lidas